Como turismo, comércio e serviços sofrem tanto com a pandemia

“O Turismo, dos segmentos ligados à CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo) , é o que mais sofreu, não no Brasil, mas no mundo inteiro. É uma realidade tão dura que, na minha opinião, turismo e hotelaria são setores que merecem do governo o mesmo tratamento que as companhias aéreas receberam. São negócios que estão interligados, um não vive sem o outro.”

A afirmação é do presidente presidente da CNC, José Roberto Tadros, em entrevista nesta quarta-feira (15) ao programa Agenda Econômica, da TV Senado. Ainda segundo o dirigente, “maior empregador do Brasil e responsável por 65% do Produto Interno Bruto (PIB), sofremos {turismo, comércio e serviços} mais porque, ao contrário da indústria e da agricultura, não exportamos, um respirador importante num momento delicado como esse.”

Para Tadros, as micro, pequenas e médias empresas não suportaram o longo período de portas fechadas. “Vivemos hoje clima de guerra e é preciso encontrar fórmulas que deem suporte ao reerguimento da atividade do comércio”, enfatizou.

Crédito

Tadros considerou importante que o governo federal tenha criado linhas de crédito no Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe). Dessa maneira, visando socorrer as empresas, para basicamente refinanciar a folha de pagamento. Além disso, editou Medidas Provisórias na área trabalhista que deram apoio ao cotidiano corporativo. Assim, permitiu antecipar férias, diminuir carga horária com o equivalente redução salarial e suspender contrato de trabalho temporariamente.

“O governo irrigou os bancos com R$ 15,9 bilhões para os empréstimos a pequenos negócios, como forma de atenuar os efeitos da crise, mas a burocracia das instituições financeira não deixou os recursos chegarem ao destino para o qual foram destinados. Isso está causando enormes dificuldades a quem não tem capital de giro e vive da renda do dia a dia”, argumentou. Tadros lembrou que o Ministério da Economia criou o Fundo Garantidor de Operações (FGO) para funcionar como um fiador dos empréstimos.

Mesmo reconhecendo que os bancos tomam medidas preventivas para evitar que sua taxa de prejuízo seja muito elevada, o presidente da CNC ponderou que o mundo vive uma realidade atípica. Por isso, conforme pondera, é preciso que se pense “em um novo modus operandi, porque, sem crédito, as empresas ficarão sufocadas. A consequência será um nível profundo de desemprego que, a continuar o atual quadro, poderá chegar a 20 milhões de pessoas”, alertou.

Refis

José Roberto Tadros voltou a defender a criação, em caráter excepcional, de um novo Programa de Recuperação Fiscal, mais conhecido por Refis, para facilitar a regularização de tributos em atraso de pessoas jurídicas. “Somente isso aliviaria a pesada carga tributária enfrentada pelo empresariado.” Lembrou que o governo Bolsonaro ainda não promoveu algumas reformas fundamentais, entre elas a tributária.

Tadros também opinou sobre a sugestão de analistas da área financeira sobre criar-se um mercado de crédito paralelo para as micro e pequenas empresas. Portanto, nos moldes do que existe na Europa e nos Estados Unidos. A seu ver, essa é uma sugestão que poderia ser avaliada pelo Sebrae, do qual é presidente do Conselho Deliberativo Nacional. Ele lembra que o Sebrae tem grande expertise por ter seu foco de atuação nas micro e pequenas empresas.

Atividade

Para ele, o comércio vive hoje um círculo danoso de atividade econômica, “em que temos um vírus como inimigo oculto. A solução só virá quando nossos cientistas descobrirem a vacina. Até lá, temos que trabalhar para atenuar os danos, reabrindo os estabelecimentos aos poucos, de acordo com os seguimentos, seguindo rigidamente as normas das autoridades sanitárias e da Organização Mundial de Saúde”.

Tadros disse que é preciso pensar positivo. “Somente com essa reabertura gradual do varejo, o comércio já reduziu sensivelmente suas perdas. Em junho, o faturamento do setor foi em torno de R$ 9,5 bilhões maior do que no mês anterior. Pela nossa perspectiva, com a economia voltando, mesmo que lentamente, a um círculo virtuoso, a demanda reprimida por cerca de 90 dias começará a deslanchar e os negócios se recuperarão”, concluiu.

Com informações da Agência CNC

|ACESSE OS SERVIÇOS OFERECIDOS PELO ‘PARA ONDE IR’, DÓLAR, VIAGENS AÉREAS, HISTÓRIA HOJE, BOLSA, ANIVERSÁRIOS MUNICIPAIS, E APROVEITE PARA ASSINAR O BLOG POR E-MAIL|

Related Posts
Baía Formosa
Imagens fantásticas das praias de Baía Formosa e Sagi, no Rio Grande do Norte, amada por brasileiros, especialmente surfistas, do mundo inteiro. É o último município norte-rio-grandense na divisa com ...
READ MORE
Maravalha e os primeiros movimentos pelo turismo pessoense
Sérgio Botêlho - Em meio à década de 70 ergueu-se um equipamento de lazer na orla marítima de Tambaú que acabou fazendo história na capital paraibana: o Maravalha Praia Clube. ...
READ MORE
João Pessoa vista de cima: belo vídeo
A cidade de João Pessoa registra uma das mais altas taxas de retorno de turistas. Não é de graça. A beleza local, a receptividade de sua gente e a limpeza ...
READ MORE
Cresce turismo em João Pessoa
Na referência entre os meses de março de 2018 e de 2019 cresceu o número de turistas em João Pessoa, na ordem de 4,29%.Segundo levantamento da PB-Tur, 108.126 hóspedes foram ...
READ MORE
Chicago reforça teatro para atrair turistas
Reforçando a simbiose entre cultura e turismo, a prefeitura de Chicago vem transformando o ano de 2019 em ano do teatro naquela cidade americana, também chamada de a mais americana ...
READ MORE
Olinda, vista de cima. Muita história para contar num cenário que emociona
Cenas de Olinda, vista de cima. História e beleza natural únicas de uma das cidades mais amadas, em Pernambuco, no Nordeste, no Brasil e no mundo:https://www.youtube.com/watch?v=mCNfgaBvDJ4
READ MORE
Cassino da Urca
A Câmara dos Deputados foi palco, nesta quarta-feira, 08, do lançamento oficial da Frente Parlamentar Mista pela Aprovação do Marco Regulatório dos Jogos, presidida pelo deputado Barcelar (Podemos-BA).Em discurso, no ...
READ MORE
Fortaleza de Cabedelo pode não ser privatizada; SP perde 16 milhões de turistas; Rio fecha Copacabana; Embraer orienta transporte de vacinas; CNT quer derrubada de veto presidencial 
*ECONOMIA DO TURISMO*, Ano I, Nº 2, de 24.12.2020 Fortaleza de Cabedelo pode não ser privatizada; SP perde 16 milhões de turistas; Rio fecha Copacabana; Embraer orienta transporte de vacinas; CNT ...
READ MORE
Transporte, comércio e indústria com plano único de retorno, quer CNI
O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, defende que o poder público organize um planejamento conjunto da volta às atividades na indústria, comércio e transporte. ...
READ MORE
MEMÓRIA PESSOENSE: O Maravalha Sérgio Botêlho Em meio à década de 70 ergueu-se um equipamento de lazer na orla marítima de Tambaú que acabou fazendo história na capital paraibana. O moinho de ...
READ MORE
Vídeo: Baía Formosa e Sagi, no RN, praias
Maravalha e os primeiros movimentos pelo turismo pessoense
João Pessoa vista de cima: belo vídeo
Cresce turismo em João Pessoa
Chicago reforça teatro para atrair turistas
Olinda, vista de cima. Muita história para contar
Frente atuará na defesa dos cassinos
Fortaleza de Cabedelo pode não ser privatizada; SP
Transporte, comércio e indústria com plano único de
MEMÓRIA PESSOENSE: O Maravalha

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.