• 55 61 982648031
  • sergiobotelho@paraondeir.blog

Alagoa Grande: terra de vultos históricos e de movimentos sociais indeléveis

Alagoa Grande - Memorial Jackson do Pandeiro

Alagoa Grande: terra de vultos históricos e de movimentos sociais indeléveis

É a cidade de Alagoa Grande o cenário onde viveram figuras e ocorreram revoltas extremamente importantes para a história da Paraíba

Terra de Jackson do Pandeiro e de Margarida Maria Alves, a cidade de Alagoa Grande tem como marcas, efetivamente, a cultura e as lutas sociais, muito bem representadas, em ambas as vertentes, por esses dois ícones da história paraibana.

Ainda hoje, no Brasil inteiro, Jackson do Pandeiro, o Rei do Ritmo, é cultuado e seguido por expoentes da maior categoria na música popular brasileira, do samba ao rock, como inspirador e modelo.

Já a líder sindical Margarida Maria Alves, assassinada por proprietários de terra, anima movimentos sociais, especialmente ligados à terra, pelo Brasil afora, sendo ela a figura inspiradora da Marcha das Margaridas, que mobiliza a capital federal todos os anos.

Essas duas figuras, por elas mesmas, já serviriam de motivo suficiente para fazer de Alagoa Grande um local de visita obrigatória aos turistas que chegam à Paraíba, por tudo o que elas representam de história.

No entanto, é conveniente lembrar que fica em Alagoa Grande uma das mais emblemáticas comunidades quilombolas do país, a Caiana dos Crioulos, objeto de matéria bastante acessada do Para Onde Ir.

Mas, não é somente isso. Alagoa Grande foi um dos quartéis generais dos revoltosos do Quebra Quilos, em 1874, que opôs pobres em geral contra os poderosos da época, tendo como pano de fundo da revolta a indignação com impostos, na forma de do sistema métrico decimal. (Para melhor compreensão da Revolta do Quebra Quilos convém a leitura de trabalho de pesquisa feito pelo historiador Armando Souto Maior).

Alagoa Grande

Foi nesse cadinho em que se misturam figuras grandiosas nascidas do povo, a resistência do negro escravisado e uma economia baseada principalmente na cana de açúcar e nos engenhos, cenário comum à região do Brejo Paraibano, que foi forjada a história de Alagoa Grande.

Ali é que o turista pode visitar o Museu Casa de Margarida Maria Alves, o Memorial Jackson do Pandeiro, a comunidade de Caiana dos Crioulos e ouvir histórias da Revolta do Quebra Quilos, com episódios relatados de pai para filho, até os dias de hoje.

Grandiosa e histórica é a cidade de Alagoa Grande que, apropriadamente, tem o seu Centro Histórico devidamente tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico da Paraíba (IPHAEP), desde 07 de novembro de 2002.

Publicações sobre Economia do Turismo DESTAQUES DA GRANDE MÍDIA IMPRESSA
Related Posts
Pombal: poesia urbana de inestimável valor histórico e cultural
Desde 04 de abril de 2002 que Pombal tem o seu centro histórico tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado da Paraíba (Iphaep). Não, sem um certo ...
READ MORE
Youtube - Divulgação
Na fundação da Cidade Real de Nossa Senhora das Neves, em 1585, o rio Sanhauá teve papel geográfico e histórico fundamental Ainda hoje, a partir do Hotel Globo, no centro histórico ...
READ MORE
Centro Histórico de Mamanguape: um dos retratos da história paraibana
A povoação da região do município de Mamanguape, a partir da foz do rio do mesmo nome, remonta mesmo ao início das visitas estrangeiras ao litoral paraibano, mais precisamente franceses ...
READ MORE
Bananeiras: clima de serra, casario preservado e muita história
Parte do perímetro frio da Paraíba, Bananeiras transpira simpatia e cenários típicos de ricas épocas de domínio do café e da cana de açúcar Numa época em que sequer o trem ...
READ MORE
Foto: ONG Memorial das Ligas Camponesas
Sérgio Botêlho - O Memorial das Ligas Camponesas, em Sapé, guarda parte da história brasileira, desta feita escrita com sangue. Foi um capítulo onde os super-explorados trabalhadores do campo, na ...
READ MORE
Salão do Artesanato Paraibano acontece de forma virtual
Com o tema “Retalhos que conectam vidas” o evento que privilegia o artesanato paraibano oferece lives para artesão e interessados O 32° Salão do Artesanato Paraibano, que nesta edição ocorre de ...
READ MORE
Youtube.
Cidade de Pilar, na Paraíba, tem uma longa trajetória marcada por ciclos econômicos, e com centro histórico tombado As primeiras notícias sobre a fundação da cidade de Pilar, na Paraíba, datam ...
READ MORE
Igreja da Conceição, em Sapé: recanto de fé e respeito à história
Sérgio Botêlho - A atual Igreja da Conceição, em Sapé (terra do poeta Augusto dos Anjos), foi inteiramente concluída, com a atual fachada, nos idos de 1929, portanto, há quase ...
READ MORE
Crédito: Prefeitura de Pedras de Fogo
Sérgio Botêlho - A Igreja de Nossa Senhora da Conceição, em Pedras de Fogo, é obra religiosa cuja conclusão data de finais do século XIX. Para não fugir da regra, ...
READ MORE
Facebook
Sérgio Botêlho - À direita da PB-011, que vai da BR-101 a Forte Velho, dentro do município de Santa Rita, existe a Capela de Santana do Gargaú, bastante deteriorada, mas ...
READ MORE
Pombal: poesia urbana de inestimável valor histórico e
Sanhauá: rio que é a própria história de
Centro Histórico de Mamanguape: um dos retratos da
Bananeiras: clima de serra, casario preservado e muita
Memorial das Ligas Camponesas, em Sapé: história político-social
Salão do Artesanato Paraibano acontece de forma virtual
Pilar: a cidade onde nasceu José Lins do
Igreja da Conceição, em Sapé: recanto de fé
Igreja de Nossa Senhora da Conceição, em Pedras
Capela de Santana do Gargaú: muita história coberta
Sérgio Botêlho

Jornalista

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Ajuda?
Olá!
Mande as ordens!
%d blogueiros gostam disto: