Pior ainda está por vir, diz Organização Mundial da Saúde; no entanto…

Pior ainda está por vir, diz Organização Mundial da Saúde. Segundo a entidade, a pandemia está acelerando. No entanto, a sede por abertura segue insaciável.

Pior ainda está por vir, garante Organização Mundial da Saúde (OMS). Segundo a entidade, a pandemia está acelerando. Ademais, cientistas brasileiros temem o inverno, que teve início em 20 de junho, como fator de piora do quadro, no país. No entanto, a sede por abertura geral continua insaciável. 

Da minha parte, que sigo temendo pelas vidas minha e de minha família, pretendo guardar o isolamento. Embora não tenha garantia alguma de que vamos escapar, pois, vez ou outra tenho de ir a alguma farmácia ou supermercado.

Quando não tenho de sair diretamente à rua, recebo pedidos, na porta, que fizemos pela internet a farmácias, restaurantes ou supermercados. Oportunidades em que nos expomos a um vírus cada vez mais espalhado por conta da muita gente circulando.

Brasília

Nesta segunda-feira, 29, mesmo, o governo do Distrito Federal decretou calamidade pública. Pelos últimos números 11 novas mortes e 2.166 infectados, em um dia, foram registrados em Brasília.

Além disso, o Hospital Regional da Asa Norte (HRan) apresenta situação que beira o caos. Segundo documento veiculado pelo Correio Braziliense, leitos de UTI, enfermarias, pronto-socorro e box de emergência se encontram lotados.

Conforme alerta a médica Valéria Paes, professora da Universidade de Brasília (UNB), a rede de saúde do DF está sobrecarregada. Para ela, não é momento de quebrar o isolamento social na capital federal.

Contudo, a partir desta quarta-feira, 01 de julho, salões de beleza, bares e restaurantes dão início ao protocolo de abertura. Na pisada, conforme o plano do GDF, até agosto Brasília funcionará a pleno vapor. Valeu a pressão empresarial.

Goiás

Já o governador e médico, Ronaldo Caiado (DEM-GO) continua reticente sobre uma abertura assim generalizada no estado que governa. Atendendo a recomendações da Universidade Federal de Goiás, dá início, hoje, a medidas radicais de isolamento. 

Também, as cidades do entorno do DF, pertencentes a Goiás, podem entrar em bloqueio total durantes os finais de semanas. Três dessas cidades, Águas Lindas, Valparaíso e Luziânia lideram casos no entorno.

Rio de Janeiro

Enquanto isso, no Rio de Janeiro, a taxa de contaminação da Covid-19 aumentou durante a semana. Para isso, contribuiu uma menor taxa de isolamento social, como sempre. O impacto é sobre toda a região metropolitana carioca.

Mas, segundo anuncia o prefeito Marcelo Crivella, tudo deve voltar ao normal até agosto, na cidade que administra. A partir desta terça-feira, 30, estão liberadas atividades no calçadão e celebrações em igrejas.

No exterior

Nesse meio-tempo, o exterior segue de olho no Brasil, com extrema preocupação. Estados Unidos, que lidera o número de casos e de mortes, no mundo, faz cara de paisagem para a situação interna e não quer brasileiros por lá.

De sua parte, a União Europeia vai abrir suas fronteiras tanto a demais países que formam a UE, quanto a outros, estes, em número de 15. Das Américas, apenas uruguaios e canadenses podem entrar na Europa. EUA e Brasil, por conseguinte, não.

Economia

Como se já não bastassem os problemas que estamos enfrentando por conta de nossa política ambiental, lá fora, instala-se um temor crescente por conta do trato que estamos dando ao combate contra o coronavírus.

Assim, importantes investidores mostram-se reticentes quanto ao Brasil. Enquanto cresce nas populações mundiais, especialmente na Europa, forte preocupações com a importação de nossos produtos. Será que vale a pena prosseguir no mesmo caminho? A economia vai aguentar?

(Sérgio Botêlho)

Leia mais:

Covid-19 avança, no Brasil, em meio a inquietante nonsense

Coronavírus e Covid-19: o que são essas coisas e quando apareceram?

Crise sanitária: enquanto alguns que podem se cuidam, outros, mesmo assim, não

Bolsas emitem sinais inequívocos da forte ligação entre economia e vida

Enfrentamento errático contra a crise sanitária no Brasil

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.