Praia de Lucena: jeito caboclo de ser num litoral cinematográfico

Praia de Lucena
Praia de Lucena. Youtube

Sérgio Botêlho – No Litoral Norte do estado, a Praia de Lucena, a mais urbana da orla lucenense, é um dos points do carnaval paraibano, beneficiada que é por uma boa rede hospedeira e de bares e restaurantes, e, também, por um conjunto de outras praias vizinhas que rivalizam em belezas únicas. Lucena comporta um litoral verdadeiramente cinematográfico.

Praia de Fagundes: tatuís e caiçaras garantem limpeza e tranquilidade. CLIQUE AQUI E SAIBA MAIS

Para alcançar Lucena há dois caminhos à disposição dos que chegam de João Pessoa. O primeiro é via Cabedelo, cidade ligada fisicamente com a capital paraibana. De Cabedelo é só pegar uma balsa que deixa o visitante na praia de Costinha, já no município de Lucena.

MEMÓRIAS PESSOENSES. Crônicas sobre figuras e fatos da João Pessoa das décadas de 50 e 60 do século XX. COMPRE AQUI

O outro caminho é via BR-101. No caso, a cidadã ou o cidadão pode estar vindo de João Pessoa, Natal ou Recife. Quem vem de Natal entra na PB-025, à esquerda, depois de passar por Mamanguape, A PB-025 vai até Lucena. Quem vem de Recife ou João Pessoa, pela mesma BR-101, entra na PB-025 à direita, após cruzar parte do município de Santa Rita. A sinalização ajuda.

Table of Contents

A praia

Uma boa característica da Praia de Lucena é sua água morna. Por sinal, uma qualidade que beneficia todas as praias paraibanas. Ondas tranquilas, sobretudo nos períodos de maré-baixa, lhe complementam o perfil. É quando parece a orla de um lago.

Praia do Holandês, em Lucena, e seus lençóis d’água na maré baixa. SAIBA MAIS CLICANDO AQUI

História

Por outro lado, na condição de importante sítio histórico do litoral paraibano – por onde transitaram, séculos a fio, livres, leves e soltos, os índios tapuias, primeiro, e, depois, os tupis, especialmente os potiguaras -, Lucena guarda muito do jeitão de seus primeiros habitantes.

Mas também guarda muita coisa dos povos invasores, com destaque para os portugueses, em forma de igrejas, exponencialmente. Um dos exemplos é a Igreja de Nossa Senhora da Guia, iniciada no Século XVI. Outra, é a Igreja de Nossa Senhora do Bonsucesso, em ruínas, mas bela e intrigante.

Tem, ainda, o artesanato, providenciado pela população local descendente de índios e outros povos costeiros. Enfim, o que há de melhor na culinária praieira: os pratos na base de peixes e frutos do mar do mais alto gabarito no quesito sabor.

Dessa forma, ir a Lucena é praticamente uma obrigação, ainda maior para quem chega à Paraíba. Portanto, não se faça de rogado!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.