O mais que bicentenário Museu do Louvre

Apesar de fundado em 10 de agosto de 1793, o Museu do Louvre somente foi aberto ao público em 08 de novembro do mesmo ano.

Não é recomendável ir a Paris sem visitar o Museu do Louvre. Apesar de fundado em 10 de agosto de 1793, o espaço somente foi aberto ao público em 08 de novembro do mesmo ano. Tudo, em plena efervescência da Revolução Francesa de 1789.

Contudo, a ideia da criação do museu data, ainda, do reinado de Luís XIV. Com efeito, em 1692 o 14º rei Luís da história francesa transformou parte do Palácio do Louvre em museu. Assim, a Sala das Cariátides passou a abrigar uma galeria de esculturas antigas.

Obras primas

Segundo especialistas, há 10 obras primas em exposição no Louvre e que merecem ser vistas. Só para ilustrar, há peças da Grécia antiga, da Itália, do Oriente Médio, da própria França, e de outras partes do mundo. Decerto, há manifestações artísticas referentes a diversos períodos da história humana.

Vitória de Samotrácia

Datada de 190 anos antes de Cristo, A Vitória de Samotrácia é uma escultura grega. Segundo consta, ela representa a deusa Nike e data do período helênico. Assim, posta na proa de um navio, a Vitória de Samotrácia personifica a vitória.

Vênus de Milo

Igualmente significativa, a Vênus de Milo é uma das obras mais amadas entre as coleções do Louvre. Decerto, pertence à época helenística, porém, guardando estilo clássico. A princípio, é atribuída a Alexandre de Antióquia.

Mona Lisa

Quadro icônico da história da arte mundial, a Mona Lisa é obra imorredoura do gênio Leonardo da Vinci. Pois, todos os dias mais de 20.000 pessoas a visitam, com direito a flashes contínuos. Vive protegida por uma parede de vidro.

Bodas de Caná

O quadro Bodas de Caná é da autoria de Paolo Veronese, pintor da Renascença italiana. A obra representa o primeiro milagre de Cristo, o da transformação de água em vinho. O milagre cristão é ambientado para um casamento faustoso em Veneza.

Sagração de Napoleão

Enquanto isso, o quadro Sagração de Napoleão representa a coroação de Napoleão Bonaparte na Catedral de Notre Dame. Além disso, também representa a coroação da imperatriz Josefina. Seu autor é Jacques Louis David, e foi concebida entre os anos de 1806 e 1807.

A Balsa da Medusa

A obra representa o naufrágio da balsa da Medusa e foi pintada entre 1818 e 1819. Seu autor é Théodore Géricault, pintor francês que viveu entre os anos de 1791 e 1824. A obra representa, conforme a história, o naufrágio de uma fragata francesa cujos sobreviventes vagaram pelo oceano sobre uma balsa.

A Liberdade Guiando o Povo

À frente uma mulher carregando a bandeira francesa em meio a batalha, o quadro é um dos símbolos da França. A imagem é bela e impactante e foi por vezes escolhida como próprio símbolo do país ou da democracia.

A Estátua de Aïn Ghazal

A obra é a de origem mais antiga existente no Museu do Louvre. Basta dizer que tem cerca de 9.000 anos, datada ainda como do período neolítico. Foi encontrada bem recentemente, em 1985, em escavações realizadas em Aïn Ghazal na Jordânia.

A Grande esfinge de Tanis

Com corpo de leão e cabeça de rei, nos templos a figura tem papel de vigia e de protetor. Segundo os arqueólogos, ela data dos períodos mais antigos do Antigo Império egípcio. Mais ou menos 2.600 anos antes de Cristo.

Os Touros alados de Khorsabad

São representações androcéfalas, isto é, de animais com cabeça humana, que vigiavam o palácio de Khorsabad, na Mesopotâmia. Os outros alados de Khorsabad têm cabeça de homem, corpo de touro e asas de pássaros.

Leia mais memórias de cada um, aqui, no Para Onde Ir

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.