Embraer vai à Justiça contra Boeing; China na mira da empresa brasileira

Embraer vai à Justiça contra Boeing; China na mira da empresa brasileira. Esses são destaques da grande mídia, nesta segunda-feira, 27 de abril de 2020

Embraer vai à Justiça contra Boeing; China na mira da empresa brasileira. Esses são destaques da grande mídia, nesta segunda-feira, 27 de abril de 2020, na seção DESTAQUES DA MÍDIA NA ECONOMIA, do Para Onde Ir.

DESTAQUES DA ECONOMIA NA MÍDIA IMPRESSA

🖋 Edição: Sérgio Botêlho

📃 Manchetes ‘econômicas’ do dia:

“Embraer vai à Justiça contra a Boeing para cobrar perdas. Companhia brasileira acusa a ex-futura sócia de produzir falsas alegações para evitar o pagamento de US$ 4,2 bilhões previsto em operação. ” *Manchete de capa do Valor Econômico*.

Mais Embraer:

“Embraer ajusta produção após rescisão da Boeing. Diante do cancelamento do acordo de US$ 4,2 bilhões com a gigante americana, fabricante brasileira anuncia que buscará economizar recursos, com adaptação de estoques, extensão do ciclo de pagamentos e corte de despesas”. No O Globo.

“Governo vê na China saída para a Embraer. Após acordo com Boeing fracassar, membros da equipe econômica analisam possibilidade de parceria com asiáticos”. Na Folha.

📃 Destaques da economia:

O GLOBO

“Empresas querem testar funcionários. Companhias privadas encomendaram 30 millhões de kits para verificar seus trabalhadores”.

“Nacionalização de insumos desafia indústria. As indústrias querem reduzir a dependência, sobretudo do fornecimento asiático.”.

“FÁBRICAS DE SOLIDARIEDADE EMPRESAS MONTAM UTI, CONSERTAM RESPIRADORES E DOAM ALIMENTOS”. 

“Campanha para produzir ventiladores de baixo custo. Coppe/UFRJ espera arrecadar R$ 5 milhões em doações para entregar ao SUS mil aparelhos num prazo de até um mês”.

“Para analistas, é hora de renegociar ou fazer portabilidade de dívidas. Cenário atual une crise provocada pela pandemia e queda dos juros. Há oportunidade inclusive no financiamento imobiliário”.

“Cinco passos para se reorganizar financeiramente. Especialista alerta para evitar tentações de consumo durante a quarentena e ressalta importância de equilibrar orçamento”.

“Com crise, Airbus avisa que terá de cortar custo”. 

ESTADÃO

“Entrevista Antônio Delfim Netto. ‘QUEREM CORTAR COMBUSTÍVEL DO POSTO IPIRANGA’. Paulo Guedes tem cumprido seu papel, segundo o ex-ministro, mas sua situação mudou. Economista diz que Paulo Guedes cumpre seu papel, mas a situação, “aparentemente, mudou muito”. Para ele, “os militares não estão entendendo as consequências da destruição das finanças que esse plano (Pró-Brasil) vai produzir”.

“Desemprego afeta 1/3 dos que ganham até um salário. Pesquisa da Roland Berger mostra que 30% das famílias que ganham até R$ 1 mil têm, pelo menos, um desempregado em casa”.

“FMI projeta aumento da desigualdade. Com gastos de 6% do PIB para enfrentar a covid-19, países ricos devem sair mais cedo da crise e com melhores condições econômicas do que emergentes e nações pobres, onde a previsão é que 60 milhões de pessoas a mais passem a viver em situação de extrema pobreza”.

“Gonzalo Vecina: Uma sociedade moderna não deve ser isto ou aquilo, não pode ser economia ou saúde. Esse será o mundo pós-covid-19.”. 

“Luís Eduardo Assis: Volta do populismo fiscal seria preço alto a pagar pela incúria de um governo que jurou a cruz da austeridade.”.

“Retomada de países ricos deve acelerar a partir de 2021. Projeção de analistas para EUA e países da zona do Euro é de um crescimento até 3,3 pontos maior do que nas estimativas pré-crise”. 

“Desemprego afeta 1/3 dos que ganham até um salário. Pesquisa da Roland Berger mostra que 30% das famílias que ganham até R$ 1 mil têm, pelo menos, um desempregado em casa”.

“A Embrapa faz aniversário. Acorde, Embrapa! A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) está fazendo aniversário. São 47 anos. Foi criada em 26 de abril de 1973, na atmosfera estatizante do governo militar, nacionalista e positivista.”.

“Governo vai permitir cessão de trabalhadores. Medida provisória em elaboração vai regular condições para ‘empréstimo’ de empregado entre empresas pelo prazo de até 120 dias”.

“Quantas crises ao mesmo tempo o Ibovespa aguenta? Além do aumento dos casos de coronavírus, instabilidade política trouxe novas incertezas à Bolsa de Valores”. 

“Por que o petróleo ficou abaixo de zero? Antes que os novos contratos vençam nesta semana, vamos explicar tudo sobre esse fenômeno histórico”. 

FOLHA

“Crise econômica deve afetar mais mulheres e negros”.

“Contas de hospitais não fecham sem exames e cirurgias”. 

“Entrevista da 2a. Ilan Goldfajn. Não é momento para grandes planos e obras públicas”. 

“Franquias cancelam taxas e ajudam empreendedor a conseguir crédito”. 

“Gestores recomendam ações tradicionais para atravessar instabilidade. Empresas líderes e consolidadas, com grande volume de negociação na Bolsa e caixa confortável, são aposta na crise”.

“Para bater recorde real, dólar teria de subir mais 39% e chegar a R$ 7,86. Cotação da moeda americana na sexta (24), a R$ 5,66, atingiu patamar inédito”.

“Marcia Dessen: Reserva para uma vida melhor. Troque o medo pela esperança e adote um novo nome para a reserva de emergência”.

“Países europeus vão proibir socorro a empresas registradas em paraíso fiscal. Lista, no entanto, não inclui paraísos na UE, que reduzem receita de nações mais afetadas pela Covid-19”. 

“Empresas com atuação online preveem crescimento para além da pandemia. Negócios apostam na mudança permanente dos hábitos dos consumidores”.

VALOR ECONÔMICO

“Ação argentina reduz temor no acordo com UE. Posição argentina de confirmar sua manutenção nos acordos com a UE e com a Efta é considerado muito importante para a estratégia brasileira de integração”.

“Impacto social. Para coordenador geral da Central Única das Favelas (Cufa), situação é alarmante nas favelas do país”.

“Empresas estudam como renegociar suas dívidas. Nas últimas semanas, companhias brasileiras começaram a chamar seus credores para pedir um “fôlego extra””. 

“Prevista para 2013, ampliação da Fiol é a “nova” prioridade no Pró-Brasil. Ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, pediu suplementação orçamentária de R$ 480 milhões, até 2022, para obras no setor ferroviário”. 

“Saída de Moro deve limitar corte de juro. Foco do Banco Central deve ser a inflação para além do curto prazo, dizem especialistas”.

“Pandemia dobra crédito do BID para o Brasil este ano. Aumento no país é maior que no restante da América Latina, onde recursos devem dobrar este ano”.

“2 mil cidades ficam sem repasses por falta de informação. Confederação Nacional dos Municípios acredita que pandemia possa causar dificuldade, mas atraso na entrega de dados ao Tesouro Nacional já vinha ocorrendo”.

“Peso da ação fiscal contra a crise é maior no Brasil, diz Rabello de Castro. Relatório mostra que as medidas com impacto fiscal no Brasil correspondem a 13,7% do PIB, e as de apoio financeiro chegam a 5,1%, enquanto nos EUA o total é de cerca de 10% e na Europa, de 5%”. 

“Pandemia ameaça derrubar PIB da construção em 10%. Impacto do coronavírus ocorre depois de setor ter caído 30% em cinco anos e conseguido uma recuperação modesta em 2019”. 

“Indústria leva a Guedes temor por ‘invasão’ chinesa após covid. Empresários pedem que governo tome precauções contra entrada de produtos “a preço de liquidação””.

 CORREIO BRAZILIENSE

“Impostos para cobrir o estrago da pandemia. Economistas e parlamentares analisam como o país sairá da crise provocada pelo novo coronavírus. Entre as propostas para aumentar a arrecadação, estão a taxação de grandes fortunas, de lucros e dividendos e a atualização do Imposto de Renda ”.

📃 Editoriais com temas econômicos do dia:

“Crise impõe cortes nos privilégios da alta burocracia. Empresas fecham, população perde renda, mas não há menção aos supersalários do serviço público.” Editorial do O Globo.

“Argentina enfrenta confluência de crises na saúde e na economia. Situação é agravada pelo embate político entre o presidente Alberto Fernández e a vice, Cristina Kirchner.” Editorial do O Globo.

Troca de Moro põe país mais perto de crise institucional. Choque entre desenvolvimentistas e ortodoxos prejudica a previsibilidade econômica”. Editorial do Valor Econômico.

📈 Bolsa de Valores

Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou a sexta-feira, 17, em alta de 1,58%, a 78.990 pontos. O dólar terminou o dia em baixa de -0,32%, a R$ 5,24..

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.