Matemática contra a variante Delta ganha modelo computacional

Pesquisadores disponibilizam ferramenta matemática contra variante Delta; interessados ainda podem contar com orientações

Um modelo desenvolvido pelo grupo ModCovid19, que une pesquisadores de algumas das principais universidades brasileiras trazendo contribuições matemáticas para vencer a pandemia, permite simular diferentes variações da doença, incluindo a variante Delta. “Desenhamos um processo para encontrar uma campanha de vacinação ótima, na tentativa de atingir mais rapidamente a proteção da população. Isso é feito a partir de informações epidemiológicas de determinada região como a eficácia da vacina contra a variante que ali é mais comum, a eficácia da primeira para a segunda dose, quantas pessoas ficaram doentes, qual tem sido a necessidade de leitos de UTI”, explica Paulo José da Silva e Silva, professor do Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica (IMECC) da Unicamp.

Um artigo do grupo ModCovid19 assinado por Paulo Silva, Claudia Alejandra Sagastizábal, Luís Gustavo Nonato, Tiago Pereira e Claudio Struchiner ganhou destaque na publicação da PNAS (sigla em inglês para Anais da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos da América), em 18 de agosto. Os autores fazem parte do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), que é um projeto Cepid da Fapesp, dirigido pelo professor José Alberto Cuminato, da USP de São Carlos. O trabalho aborda, entre outros aspectos, o tempo ideal e seguro entre as doses para que a vacinação seja realmente eficiente contra o novo coronavírus. “Não é comum matemáticos publicarem na PNAS, que tem apelo mais interdisciplinar e com peso científico muito forte. Isso nos deixou bastante contentes”.

Segundo o professor do IMECC, a publicação na PNAS mostra que seu grupo conseguiu usar uma matemática de alto nível e, ao mesmo tempo, atacar um problema relevante e atual. “O timing é muito importante num processo como este. Conseguimos responder a uma pergunta urgente na época em que escrevemos o artigo, em fevereiro: se era uma boa ideia ou não adiar a segunda dose contra a variante Alfa e, adiando, aumentar a cobertura em primeira dose de uma população. Mostramos que naquelas circunstâncias originais era, sim, uma boa ideia, confirmando algumas decisões tomadas por governos como da Inglaterra e mesmo governos do Brasil. E a demonstração do impacto disso foi outro aspecto interessante do nosso estudo.”

Claudia Sagastizábal, pesquisadora do IMECC e do CeMEAI, considera que a ferramenta denominada RobotDance, desenvolvida pelo grupo ModCovid19, é uma demonstração importante de como a matemática pode contribuir em situação de pandemia. “O grau de abstração da modelagem matemática permite representar uma realidade de maneira geral, não muito específica, de modo que agora, por exemplo, resulta possível incorporar o efeito de novas cepas no avanço da transmissão e da pandemia na sociedade. Isso é feito de maneira relativamente simples. É claro que há um trabalho a ser realizado, mas um aspecto importante da matemática é que ela não está baseada em achismos, e sim em ciência dura e reproduzível.”

A propósito, a pesquisadora informa que a ferramenta computacional está em repositório de código aberto, podendo ser acessado por todo interessado, que ainda contará com orientações do grupo. “Estamos dispostos a ajudá-lo, pois a ferramenta não é específica a uma região do estado de São Paulo ou apenas de Campinas. Tendo os dados epidemiológicos de outra região, é possível fazer o mesmo tipo de análise: de como vai evoluir a transmissão da doença, se exige certa campanha de vacinação, se aplicamos testes ou alguma medida de distanciamento social. O programa também sugere a melhor medida em termos de política pública; o fato de ter esta predição para as próximas semanas, dá ao gestor a possibilidade de preparar a melhor resposta para que não chegar a situações tão trágicas como o colapso das UTIs.”

Campanhas para agora e o futuro

Paulo Silva salienta que o modelo desenvolvido no grupo ajuda a desenhar campanhas de vacinação, seja na pandemia como a de agora, seja em outra ocorrência no futuro. Sobre a Delta, ele observa que o artigo foi escrito em fevereiro, quando esta variante ainda era muito pouco conhecida. “Não tínhamos informações à época, sobre como as vacinas se comportavam com a variante Delta. No artigo analisamos diferentes cenários para a AstraZeneca, para uma janela para segunda dose de até três meses, e considerando a quantidade limitada de doses.”

O pesquisador da Unicamp afirma que toda a gama de possibilidades analisada no estudo, com base em algumas projeções recentes, também se aplica à Delta. “O modelo pode predizer se a Delta exige outra estratégia de intervalo entre doses. Li que a eficácia da primeira dose para essa variante parece ser menor, de aproximadamente 30%, e que na segunda salta para 70%. Nesse contexto, não valeria a pena postergar a segunda dose, e sim aplicá-la o mais rapidamente possível para garantir a segurança desta população.”

Segundo Silva, isso só se aplica a países onde a Delta é a cepa predominante, o que ainda não acontece no Brasil. “A análise para o país é mais complicada, pois deve-se levar em conta várias cepas que estão competindo de maneira significativa, sobretudo a Gama e a Delta. Mas se daqui a um mês a Delta estiver predominando, como em outros lugares do mundo (a 90%), provavelmente vamos passar a analisar esta variante. Se nos derem bons números de como a vacina se comporta com a Delta, conseguiremos analisar inclusive o impacto quantitativo que vai ter a doença.”

O pesquisador é de opinião que todos os modelos matemáticos aplicados na Inglaterra chamaram a atenção das autoridades, que foram alertadas, já no início da pandemia, para a nova doença muito transmissível atacando uma população completamente vulnerável. “Essa mistura de fatores iria gerar uma demanda por serviços de saúde impossível de ser oferecida pelos governos. Conforme viam as projeções se concretizando, as autoridades conseguiam tomar decisões duras de distanciamento social, que certamente pouparam muitas pessoas durante o processo de pandemia.”

Edição de SEO, no Para Onde Ir: Sérgio Botêlho

Com informações da Unicamp 

Related Posts
O Governador de São Paulo, entrega novo trem da CPTM linha Rubi. Local: São Paulo. Data: 02/09/2016 Foto: Ciete Silvério/A2IMG
Na cidade de São Paulo, nesta quarta-feira, 08, tem vacinação contra febre amarela, mais precisamente para os passageiros que utilizam a Linha 7-Rubi, que terão a oportunidade de se vacinar ...
READ MORE
Crédito da foto: Canva
Nesta quinta, 1, vacinaram-se pessoas a partir de 63 anos; nesta sexta, 2, as pessoas a partir de 62; sábado, 3, a partir de 60 anos A Secretaria de Saúde de ...
READ MORE
O contragolpe da Covid-19, na Europa: e nós aonde vamos?
Sérgio Botêlho - Na Europa há choro e ranger de dentes por todo canto devido ao contragolpe da Covid-19, a bater na porta do povo europeu. Antecedendo a recidiva, uma ...
READ MORE
Crédito da foto: Canva
Além das novas doses para a faixa etária de 65 a 69 anos, serão encaminhados para os municípios a segunda dose ao público entre 70 e 74 anos A Secretaria de ...
READ MORE
180 economistas pedem lockdown nacional por conta da pandemia 
Além de lockdown nacional, leia: Olimpíadas sem torcedor do exterior; Bananeira: uma planta de total aproveitamento 🖋 Edição: _Sérgio Botêlho_ *ECONOMIA DO TURISMO*, Ano II, Nº 92 de 22.03.2021 180 economistas pedem lockdown ...
READ MORE
Coronavírus: o perigo que está em marcha crescente no Brasil
Sérgio Botêlho Coronavírus: o perigo. Brasil ainda não atingiu o pico das consequências advindas do coronavírus. Já colocada no status de pandemia mundial pela Organização Mundial da Saúde (OMS), esse pico ...
READ MORE
Foto: Canva
Medidas sociais adotadas pelo governo paraibano visam reduzir impactos econômicos causados pela pandemia do novo coronavírus As medidas sociais anunciadas pelo governador João Azevêdo, a fim de minimizar os impactos econômicos ...
READ MORE
Decretado toque de recolher no DF a partir desta segunda-feira, 08
Risco iminente de superlotação das UTIs, além do alto número de transmissão do coronavírus motivaram o toque de recolher no DF Com o risco iminente de superlotação das UTIs e o ...
READ MORE
Com tecnologia simples, Cooperar leva água tratada ao interior
Água tratada com tecnologia francesa, simples e sem energia elétrica é nova arma a favorecer a saúde pública Comunidade rural da Jurema, localizada no município de Tavares, interior do Estado da ...
READ MORE
Crédito da foto: Canva
Cloroquina, hidroxicloroquina e ivermectina, do kit Covid, causam efeitos colaterais; há casos de hepatite, exigência de transplante e mortes Segundo relata matéria publicada pelo jornal Estado de São Paulo (Estadão), o ...
READ MORE
São Paulo vacina contra febre amarela
Cabedelo vacina a partir de 60 anos no
O contragolpe da Covid-19, na Europa: e nós
Na Paraíba, vai começar vacinação da faixa etária
180 economistas pedem lockdown nacional por conta da
Coronavírus: o perigo que está em marcha crescente
Governo da Paraíba registra apoios por medidas sociais
Decretado toque de recolher no DF a partir
Com tecnologia simples, Cooperar leva água tratada ao
Relato médico: Kit Covid está matando ou provocando

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.