Passaporte da vacina: medida de salvação econômica e de vidas

Sérgio Botêlho (Para Onde Ir) – Ao levantar a proposta do passaporte da vacina, o mundo está de olho na recuperação da economia e na preservação de vidas humanas

Em meio a uma tragédia como a que o mundo continua atravessando, as propostas que permitam superar o desespero com a economia e com a vida humana surgem com a marca da esperança.

Uma delas é a do passaporte da vacina, que emerge da cabeça dos experts como uma ideia salvadora, em especial, da economia do turismo, mas também que busca incentivar a vacinação e, portanto, favorecer a vida.

No Brasil, já existe, até, uma proposta parlamentar devidamente aprovada pelo Senado Federal – e, anote-se, por unanimidade – de criação do Certificado de Imunização e Segurança Sanitária (CSS). Na prática o tal passaporte da vacina.

Pela proposta, o Certificado de Imunização e Segurança Sanitária (CSS) poderá ser utilizado para autorizar a entrada em locais e eventos públicos, o ingresso em hotéis, cruzeiros, parques e reservas naturais, entre outras possibilidades.

Revoltado, o presidente Jair Bolsonaro tão logo soube da novidade adiantou a quem o quisesse ouvir que vai vetar a proposta caso ela seja aprovada pelo Congresso Nacional, e lhe chegue às mãos para que se cumpra o capítulo constitucional da sanção.

Na opinião do mandatário brasileiro, o mal da proposta, assinada pelo jovem senador Carlos Portinho (PL-RJ), que substituiu o falecido senador fluminense Arolde de Oliveira, vítima da Covid-19, é o de, na prática, obrigar os brasileiros a se vacinarem. O presidente é contra.

Em todo o mundo, o maior pomo da discórdia sobre a criação do passaporte da vacina está longe de ser esse, aí. A não ser da parte de negacionistas contrários à vacina, que buscam por todos os meios evitar o seu (da vacina) prestígio.

O debate que se instalou, a partir da proposta, envolve questões relacionadas à discriminação, especialmente com relação às populações mais pobres e àqueles que por qualquer motivo, inclusive de doenças, não tiveram condições de serem vacinados.

Na parte em que a vacina serve de exemplo para a vacinação não há expressividade nos questionamentos, é preciso reafirmar, a não ser da parte, como já dissemos, dos negacionistas de sempre que lutam diuturnamente contra as vacinas.

O passaporte da vacina, de forma mais premente, vai beneficiar o setor do turismo, de longe, a parte da economia mais afetada pela pandemia, restaurando um pouco da confiança nas viagens, confiança este profundamente abalada pela pandemia.

Como não há tempo para debates mais profundos sobre as questões éticas que envolvem o passaporte da vacina, diante da situação internacional da economia do turismo, e a necessidade de se salvar vidas, a tendência é de o passaporte da vacina ser aprovado na Europa e nos países mais avançados do mundo.

Se o presidente vetar a possível aprovação da proposta, no caso de ser favoravelmente votada pelo Congresso Nacional, o Brasil vai ficar à margem dos esforços mundialmente empreendidos para a recuperação econômica do planeta. Lamentavelmente. 

Related Posts
Urgente é a tarefa de recuperar o turismo, e toda ideia é válida
Nesse processo de recuperar o turismo são várias as propostas que vão desde mobilização e engajamento até o passaporte de vacinação Sérgio Botêlho - Por todas as partes do mundo o ...
READ MORE
Há mais estrelas no céu
Sérgio Botêlho - Bom. Chegamos ao final do mês de junho e do primeiro semestre de 2021, neste 30 de junho, hoje. Com isso, encerram-se as prolongadas e esplêndidas festas ...
READ MORE
Como se não bastasse!
Sérgio Botêlho - Não há trégua para notícias ruins na pandemia. A nova é a da possibilidade de boa parte da população vacinada do país ter sido ‘imunizada’ com vacinas ...
READ MORE
Não dês ouvidos à maldade alheia!
Sérgio Botêlho - As perspectivas de um Natal e Ano Novo mais efusivos, agora, em 2021, e de um carnaval mais animoso, em 2022, ainda não estão resolvidas do ponto ...
READ MORE
“Miserere-re nobis”
Sérgio Botêlho - Neste primeiro de julho, aqui no Planalto Central do País, região que comporta o Distrito Federal, conforme perpetuada por Caetano Veloso em sua imortal Tropicália, seguimos vivendo ...
READ MORE
Há perigo na esquina
Sérgio Botêlho - O dia hoje amanheceu terça-feira, nada menos e nem mais do que a terça-feira, 29 de junho de 2021. Única no tempo e tão singular quanto são ...
READ MORE
Vacina, já, venha de de onde vier, e cada vez mais proteção devem ser as palavras de ordem
Sérgio Botêlho - “Não vamos mais pegar esse vírus”, me disse anteontem, ao telefone, um convicto sobrevivente, até agora, da Covid-19, ainda que não tenha contraído a doença ou tomado ...
READ MORE
Aconteceu num 4 de julho
Sérgio Botêlho - Tudo aconteceu no período da história em que as luzes voltaram a iluminar a humanidade, no marcante século XVIII, a partir dos iluministas. O ser humano passou ...
READ MORE
Ditaduras pensam exatamente do mesmo jeito
Sérgio Botêlho - Todas as ditaduras são iguais. Tais experiências começam pela ideia de determinada corrente ou indivíduo de que somente ela (a tal corrente) ou ele (o indivíduo) possui ...
READ MORE
Por que alguns não usam máscara, apesar da pandemia?
Sérgio Botêlho – Apesar da pandemia em curso e das recomendações médicas, mesmo em países onde a vacinação já anda bem avançada (no caso, em ambientes fechados), no Brasil, onde ...
READ MORE
Urgente é a tarefa de recuperar o turismo,
Há mais estrelas no céu
Como se não bastasse!
Não dês ouvidos à maldade alheia!
“Miserere-re nobis”
Há perigo na esquina
Vacina, já, venha de de onde vier, e
Aconteceu num 4 de julho
Ditaduras pensam exatamente do mesmo jeito
Por que alguns não usam máscara, apesar da

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.