Niemeyer: há 7 anos morria o arquiteto que fez poesia com o concreto

A data de 05 de dezembro marca o aniversário de morte do arquiteto Oscar Niemeyer. Cinco dias depois, o responsável pela arquitetura de Brasília completaria 105 anos de idade.

A data de 05 de dezembro marca o aniversário de morte do arquiteto Oscar Niemeyer. Coincidentemente, cinco dias depois, o responsável pela arquitetura de Brasília completaria 105 anos de idade. Portanto, mais de um século compondo obras, a maioria em concreto armado, bem próximas da poesia.

Quem foi Oscar Niemeyer

Oscar Niemeyer nasceu no Rio de Janeiro em 15 de dezembro de 1907, no bairro de Laranjeiras. Conforme o e-biografia, ainda muito jovem, aos 21 anos, casou-se com uma descendente de italianos, Anita Baldo, com quem viveu 76 anos, até a morte dela, em 2004.

Dessa forma, casado ainda novo, logo cedo teve de se iniciar no trabalho para sustentar esposa e uma filha, Ana Maria. Por isso, foi trabalhar com o pai numa tipografia pertencente à família. Outrossim, formou-se em arquitetura na Escola Nacional de Belas Artes, em 1934.

Seu primeiro emprego, na área, foi no escritório de Lúcio Costa (com quem iria estabelecer parceria, no futuro, para construção da nova capital federal). Em 1936, foi trabalhar com o famoso arquiteto franco-suíço, Le Corbusier, forte influenciador de sua obra.

Obras de Oscar Niemeyer

Decerto, as mais decantadas obras de Oscar Niemeyer são prédios originais de Brasília. Inegavalmente, são prédios que ainda hoje chamam a atenção na capital do país. São exemplos: a Catedral, o Teatro Nacional, o Supremo Tribunal Federal, o Congresso Nacional, o Palácio da Alvorada e o Palácio do Planalto.

Fora de Brasília, contudo, há obras de Niemeyer no país e no mundo, igualmente marcantes. Em parceria com Le Corbusier e outros arquitetos, assinou o Palácio Capanema, então sede do Ministério da Educação e da Saúde, no Rio de Janeiro.

Em Belo Horizonte, tem o conjunto da Pampulha, cartão postal da capital mineira. No projeto, fez parceria com outro arquiteto que lhe faria companhia, junto com Lúcio Costa, na construção de Brasília: Burle Marx. Este, um especialista em paisagismo.

ONU

No plano internacional destaca-se o prédio da Organização das Nações Unidas, construído logo após a guerra. A concepção final do prédio, principalmente, uniu os projetos de Oscar Niemeyer e Le Cobusier. No entanto, ao todo, 10 arquitetos participaram do Comitê Internacional de Arquitetos para o prédio da ONU.

Porém, acabou exilado na França, a partir do golpe de  1964. Assim, Oscar Niemeyer abriu escritório nos Champs Elysée. Foi quando projetou o Centro Cultural Le Havre.Possteriormente, de volta ao Brasil, em 1980, projetou o Memorial JK, em Brasília, e o Sambódromo, no Rio de Janeiro.

Outras obras de Niemeyer

O arquiteto assinou, ainda, o Teatro Popular Oscar Niemeyer e o Museu de Arte Contemporânea, ambos em Niterói. E, ainda, a Estação Cabo Branco–Ciência, Cultura e Artes, em João Pessoa.

Livros

Oscar Niemeyer escreveu: Quase memórias: viagens, tempos de entusiasmo e revolta – 1968; Minha experiência em Brasília, 1961, editado posteriormente na França, Cuba e Rússia; A forma na arquitetura – 1980; Rio: de Província a Metrópole – 1980; Como se faz arquitetura – 1986; Trecho de Nuvens – 1989; Conversa de arquiteto – 1994; As curvas do tempo – Memórias – 1998; Meu sósia e eu – 1999; As curvas do tempo – 2000; Minha arquitetura Editora Revan, Rio de Janeiro, 2000; Conversa de amigos – Correspondência entre Oscar Niemeyer e José Carlos Sussekind, com José Carlos Sussekind, 2002; Minha arquitetura – 1937-2004, Editora Revan, Rio de Janeiro, 2004; Sem rodeios – 2006, contos. Editora Revan, Rio de Janeiro, 2006.

Prêmios

São prêmios recebidos por Oscar Niemeyer: 1963 – Prêmio Lênin da Paz, Governo da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas; 1963 – Membro honorário do Instituto Americano de Arquitetos; 1964 – Membro honorário da Academia Americana de Artes e Letras e do Instituto Nacional de Artes e Letras; 1975 – Comendador da Ordem do Infante D. Henrique de Portugal (3 de Março); 1988 – Prêmio Pritzker de Arquitetura, dos Estados Unidos; em 1989 – Título de Doutor Honoris Causa da Universidade de Brasília; 1989 – Prémio Príncipe das Astúrias das Artes Espanha; 1989 – Medalha Chico Mendes de Resistência.

Bem como

No ano de 1990 – Cavaleiro Comendador da Ordem de São Gregório Magno, Vaticano/Santa Sé; Já em 1994 – Grã-Cruz da Ordem Militar de Sant’Iago da Espada de Portugal (26 de Novembro); 1995 – Título de Doutor Honoris Causa da Universidade de São Paulo; 1995 – Título de Doutor Honoris Causa da Universidade Federal de Minas Gerais; 1996 – Prêmio Leão de Ouro da Bienal de Veneza, VI Mostra Internacional de Arquitetura; 1998 – Royal Gold Medal do Royal Institute of British Architects; A Medalha da Ordem da Solidariedade do Conselho de Estado da República de Cuba, ele recebeu em 2001; Também em 2001 – Medalha do Mérito Darcy Ribeiro do Conselho Estadual de Educação do Estado do Rio de Janeiro; 2001 – Prêmio UNESCO 2001, na categoria Cultura.

Enfim

2001 – Título de Grande Oficial da Ordem do Mérito Docente e Cultural Gabriela Mistral, do Ministério da Educação do Chile; 2001 – Título de Arquiteto do Século XX, do Conselho Superior do Instituto de Arquitetos do Brasil; 2004 – Praemium Imperiale, Japan Art Association; 2005 – Patrono da Arquitetura Brasileira, declarado pela Lei nº 11.117, de 18 de maio de 2005; Medalha Ordem do Mérito Cultural, Brasil, recebeu em 2007; Ainda em 2007 – Medalha e título de Comendador da Ordem Nacional da Legião da Honra, Governo da França; 2007 – Medalha da Ordem da Amizade, Governo da Rússia; 2007 – Medalha Oscar Niemeyer do Partido Comunista Marxista-Leninista; 2008 – Prêmio ALBA das Artes, Venezuela, Cuba, Bolívia, Nicarágua; 2009 – Orden de las Artes y las Letras de España; 2009 – Título de Doutor Honoris Causa da Universidade Técnica de Lisboa.

Memória

Acompanhe as publicações de Memórias, no Para Onde Ir

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.