Iemanjá e Nossa Senhora: mais um capítulo das raízes do Brasil

Sérgio Botêlho

Iemanjá e Nossa Senhora é mais um capítulo das raízes do Brasil. Por issso, parte enorme do Brasil tem o dia 08 de dezembro como dia sagrado. Com efeito, enquanto os católicos veneram Nossa Senhora da Conceição, fiéis à Umbanda e ao Candomblé reverenciam Iemanjá. É mais um capítulo do sincretismo religioso que se constitui na raiz de cultura e da fé nacional. Dessa forma, impossível de ser considerada para quem deseja entender o Brasil.

Iemanjá

O culto a Iemanjá chegou ao Brasil junto com os africanos arrastados para a escravidão. Como os negros foram levados a todos os recantos do país, Iemanjá é venerada de Norte a Sul do Brasil. No entanto, pode-ser dizer que é no litoral onde a veneração é mais forte.

Iemanjá ou Dadalunda ou Janaína ou Inaê ou Maria é rainha do mar e protetora dos pescadores. Cantada e decantada em verso e prosa por poetas, músicos e literatos, Iemanjá encanta enquanto uma das mais importantes orixás das religiões de matrizes africanas.

Contudo, Iemanjá não tem o 08 de dezembro como único dia de veneração, no Brasil. Na Bahia, por exemplo, o grande dia dedicado à orixá é o 02 de fevereiro. Neste mesmo dia, os católicos veneram Nossa Senhora dos Navegantes. É dia sagrado para os baianos.

Nossa Senhora dos Navegantes

Nossa Senhora dos Navegantes é mais uma das denominações de Maria, mãe de Jesus Cristo. Mais ou menos à época das grandes navegações, os marinheiros se pegavam com Nossa Senhora. O apelo tinha como motivo a proteção contra as tempestades, muitas vezes, fatais, na travessia dos oceanos. Maria virou, então, Nossa Senhora dos Navegantes.

Também no decorrer daqueles tempos começaram a chegar ao Brasil os escravos vindos da África. Desse jeito, os negros chegavam a uma terra onde os senhores professavam o cristianismo, religião que lhes (aos escravos) era imposta.

A fim de manterem a fé professada em suas origens africanas, os escravos costumavam estabelecer correspondência entre os santos cristãos e os orixás que veneravam. Daí o termo sincretismo religioso, que assemelhou, por exemplo, Iemanjá a Nossa Senhora dos Navegantes.

O sincretismo religioso servia, inclusive, na hora de substituir, nos altares dos terreiros, as imagens dos orixás pelas dos santos e divindades católicos correspondentes, já que as dos orixás eram proibidas pela repressão branca e católica.

Nossa Senhora da Conceição

Em outras partes do Brasil, Iemanjá foi igualada a Nossa Senhora, pura e simplesmente. Daí que em Pernambuco, Paraíba, Alagoas, Ceará e Sergipe o dia 08 de dezembro é, também, Dia de Iemanjá. Isto, ao mesmo tempo em que é o dia de Nossa Senhora da Conceição (ou da Concepção). O que significa o dia em que Maria foi concebida, portanto, dia maior dedicado a Nossa Senhora.

Fontes:

https://www.terra.com.br

https://www.brasildefato.com.br

https://www.raízesespirituais.com.br

Memória

Este texto faz parte da série Memórias que vem sendo publicada pelo Para Onde Ir

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.