Queda histórica de 10,1% no varejo é o que prevê a CNC

Queda histórica de 10,1% no varejo prevê a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), em 2020. Dessa forma, no varejo ampliado, com a inclusão do ramo automotivo e o de materiais de construção.

Enquanto isso, no varejo restrito, sem esses segmentos, a projeção aponta um recuo de 8,7%. As estimativas sobre a queda histórica no varejo têm como base os dados da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) de abril. Os dados foram divulgados nesta terça-feira (16/06) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

“Em ambos os casos, a crise sem precedentes, imposta à atividade econômica na história recente, deverá levar o setor a registrar a maior queda anual desde os anos 2000”, destaca o presidente da CNC, José Roberto Trados.

A última previsão da entidade para o comércio em 2020 havia sido em fevereiro. Dessa forma, baseada em dados de dezembro de 2019. Ainda sem os efeitos do novo coronavírus, portanto, a previsão, naquele momento, era de crescimento de 5,3% para o setor neste ano.

O economista da CNC Fabio Bentes atenta para o fato de que abril foi o primeiro mês considerado “cheio” desde o início da quarentena no Brasil. “Em março, as vendas já haviam recuado 2,1%, sob o impacto dos decretos regionais implementados a partir da segunda quinzena daquele mês, por meio dos quais diversas medidas restritivas de combate ao novo coronavírus passaram a ser adotadas”, afirma.

Mês perdido

Os comerciantes brasileiros já podem afirmar que perderam um mês inteiro de vendas com o novo coronavírus, diz texto da CNC no site da instituição. Segundo cálculos da entidade, em 12 semanas de pandemia (de 15/03 a 06/06), os prejuízos do setor com a crise alcançaram impressionantes R$ 200,71 bilhões. O valor é equivalente à média mensal de faturamento do varejo antes do surto de covid-19.

Desse total, o varejo não essencial foi o que mais perdeu: acumulou R$ 184,05 bilhões de prejuízo (91,7% do total). Já o varejo essencial, como supermercados, minimercados, mercearias e farmácias, apresentou perdas de R$ 16,66 bilhões (8,3% do total).

Segundo dados da consultoria Inloco, o isolamento social no Brasil vem apresentando tendência de redução nas últimas semanas. Após atingir 63% na segunda metade de março, o índice tem recuado sucessivamente, abrindo o mês de junho com uma média semanal de aproximadamente 40%.

De acordo com o presidente da CNC, a abertura gradual dos estabelecimentos comerciais deverá manter a tendência de perdas menos acentuadas para o setor ao longo dos próximos meses.

“Os danos ao mercado de trabalho, os graus de aversão à oferta e à demanda de crédito, o nível de confiança dos consumidores e o comportamento dos preços tenderão a cumprir, em um cenário de abertura contínua e gradual do comércio, um papel fundamental no ritmo de vendas até o fim de 2020”, ressalta Tadros.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.