João Pessoa e suas histórias: o Casarão dos Azulejos

Não há construção similar ao destacado prédio conhecido como Casarão dos Azulejos, do século XIX, na capital paraibana.

Sérgio Botêlho – Na capital paraibana, não há construção similar ao prédio conhecido como Casarão dos Azulejos. Embora o seu múltiplo uso, ao correr do tempo, haja descaracterizado sua repartição interna, o exterior é o mesmo e revela beleza e encanto original.

O prédio histórico fica na esquina da rua Conselheiro Henriques (que começa na rua General Osório, bem próximo à Basílica de Nossa Senhora das Neves) com a Praça Dom Adauto,  na parte final da rua Visconde de Pelotas, em João Pessoa.

Quem contratou o prédio, no Século XIX, foi o comendador Antônio dos Santos Coelho, que ali residiu com sua família. Hoje, tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado da Paraíba, foi utilizado, após o período residencial, para várias finalidades, geralmente de caráter público, sofrendo modificações internas.

Contudo, o seu exterior guarda praticamente toda a beleza original (evidentemente ressalvadas falhas impostas pelo tempo ao conjunto dos azulejos) representada pela arquitetura colonial.

A parte externa, em todas as suas paredes, é composta de azulejaria portuguesa, em tons azuis, segundo a história, diretamente trazida da cidade do Porto, em Portugal, para o Brasil. 

(A azulejaria surgiu entre os mouros e chegou à Península Ibérica durante o período em que dominaram a região, de onde somente saíram em definitivo no final do Século XV, após cerca de 8 séculos).

Reformas

Entre  1995 e 1999, e em 2017, o Casarão passou por reformas. Na atualidade, abriga um dos polos do Programa de Inclusão Através da Música e das Artes (Prima), gerido pelo Governo da Paraíba.

Fontes:

Casarão dos Azulejos

http://www.de.ufpb.br/~ronei/JoaoPessoa/azulejos.htm

Cerâmica mourisca

https://pt.wikipedia.org/wiki/Cer%C3%A2mica_mourisca

Vídeo:

Casarão dos Azulejos

https://www.youtube.com/watch?v=7DK3IHzjN_s

 

You may also like

Comente