• 55 61 982648031
  • sergiobotelho@paraondeir.blog

MEMÓRIA PESSOENSE: Foto Condor, de Ariel e Arion

MEMÓRIA PESSOENSE: Foto Condor, de Ariel e Arion

Sérgio Botêlho

Não tinha quem não parasse para olhar aquelas imagens bizarras expostas do lado de fora do laboratório de fotografia de Ariel e Arion (com nome de fantasia de Foto Condor). Tanto podia ser um inhame disforme e gigante quanto um porco que nasceu com cara de gente.

Hoje, nos tempos do Adobe Photoshop, montagens assim são cafés pequenos para os versados no programa. Quero ver naquele tempo de técnicas ainda primárias de revelação de filmes, com muita química e salas escuras!

Aliás, tem muita gente que, ainda hoje, prefere as fotografias em preto e branco, a especialidade dos dois, pai e filho. Com efeito, em termos artísticos, não há comparação entre uma foto em preto e branco e outra colorida, quando se trata de jogo de sombras.

Realmente, não tem parelha, em termos de beleza, apreciar os detalhes de um anoitecer urbano, e chuvoso, com um rio e uma mata ao fundo, isto, em preto e branco. Tudo tem que ser trabalhado com muita arte, durante a revelação e a utilização dos químicos, para um resultado de qualidade.

Pois bem. Nos tempos de Ariel e Arion, havia outros laboratórios de fotografias em João Pessoa, ainda hoje vivos na memória dos remanescentes daqueles tempos. Por exemplo: o Foto Lira, vizinho ao Rex. Outro: o Foto Stuckert, entre a Igreja da Misericórdia e o Ponto de Cem Réis.

Os descendentes de Lira não seguiram a profissão do pai. Mas, os descendentes de Stuckert, sim. Há dois jovens irmãos, ambos Stuckert, descendentes do paraibano, que trabalham em Brasília com reportagem fotográfica, ramo jornalístico da fotografia.

Tinha ainda o Foto Nuca e o Foto Estrela, localizados na Treze de Maio, segundo me lembra o sempre atento Lelo Cavalcanti. Havia outros, mas, esses eram os mais festejados. Porém, apenas Ariel e Arion, se a memória não me falha (e peço auxílio de conterrâneos da época) expunham essas fotos, assim, em frente ao prédio onde funcionava o estúdio fotográfico de pai e filho, ali na Miguel Couto, bem pertinho da Visconde de Pelotas, prédio em que, hoje em dia, funciona barbearia bem frequentada.

Ainda hoje fico sem saber direito se a intenção era chocar os transeuntes ou apenas demonstrar vocação mais apurada pela foto-notícia. Ou apenas chamar a atenção para o estúdio dos dois. Seja lá qual fosse a intenção, Ariel e Arion acabaram marcando época na fotografia de João Pessoa.

Fico a imaginar o quanto eles gastavam em dinheiro ou em sola de sapato para correr atrás dessas imagens, muitas vezes, gravadas longe de João Pessoa. Muitas dessas fotos, inclusive, foram parar nas páginas dos jornais diários que circulavam na Capital paraibana.

Não me consta que eles tenham amontoado riqueza com a arte, mas, ambos, fazem parte da história do cotidiano pessoense, para sempre.

(Do livro “Não mora mais ninguém na minha rua”, que segue no prelo) 

Related Posts
Google
Sérgio Botêlho - No Centro Histórico de João Pessoa, entre as magníficas obras arquitetônicas de época, situa-se a três vezes centenária Casa da Pólvora e Armamentos, testemunha da maior parte ...
READ MORE
1930: em Recife, o assassinato de um paraibano muda a história do país
  Há 90 anos, ou seja, em 26 de julho de 1930, um assassinato mudaria a história da capital paraibana, do próprio estado, e do Brasil. A vítima foi o presidente ...
READ MORE
Sérgio BotêlhoHá acontecimentos que poderiam apenas ser relacionados a simples movimentações empresariais ou culturais, mas, que, diferentemente disso, nada têm de corriqueiros, porque, na verdade, são cercados de muitos mistérios.Um ...
READ MORE
MEMÓRIA PESSOENSE: O Maravalha Sérgio Botêlho Em meio à década de 70 ergueu-se um equipamento de lazer na orla marítima de Tambaú que acabou fazendo história na capital paraibana. O moinho de ...
READ MORE
Casarão dos Azulejos: beleza arquitetônica única em João Pessoa
Sérgio Botêlho - Não há construção similar ao destacado prédio conhecido como Casarão dos Azulejos, na capital paraibana. Embora o seu múltiplo uso, ao correr do tempo, haja descaracterizado sua ...
READ MORE
Cresce turismo em João Pessoa
Na referência entre os meses de março de 2018 e de 2019 cresceu o número de turistas em João Pessoa, na ordem de 4,29%.Segundo levantamento da PB-Tur, 108.126 hóspedes foram ...
READ MORE
Empregos
O Sistema Nacional de Emprego de João Pessoa (Sine-JP) oferece a partir desta terça-feira (2), 60 novas vagas de emprego. Há oferta para candidatos de todos os níveis de escolaridade ...
READ MORE
João Pessoa vista de cima: belo vídeo
A cidade de João Pessoa registra uma das mais altas taxas de retorno de turistas. Não é de graça. A beleza local, a receptividade de sua gente e a limpeza ...
READ MORE
Igreja do Carmo. Foto: Iphan
Sérgio Botêlho - A Igreja de Nossa Senhora do Carmo, na Praça Dom Adauto (Praça do Bispo), em João Pessoa, é mais uma construção antiga na capital da Paraíba cujos ...
READ MORE
Maravalha e os primeiros movimentos pelo turismo pessoense
Sérgio Botêlho - Em meio à década de 70 ergueu-se um equipamento de lazer na orla marítima de Tambaú que acabou fazendo história na capital paraibana: o Maravalha Praia Clube. ...
READ MORE
Casa da Pólvora, em João Pessoa: mais de
1930: em Recife, o assassinato de um paraibano
MEMÓRIA PESSOENSE: Paraibambu
MEMÓRIA PESSOENSE: O Maravalha
Casarão dos Azulejos: beleza arquitetônica única em João
Cresce turismo em João Pessoa
60 vagas de emprego em João Pessoa
João Pessoa vista de cima: belo vídeo
Igreja do Carmo, em João Pessoa: obra católica
Maravalha e os primeiros movimentos pelo turismo pessoense

Sérgio Botêlho

Jornalista

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Ajuda?
Olá!
Mande as ordens!
%d blogueiros gostam disto: