Estação Ferroviária de João Pessoa, no Varadouro, é cheia de história

DICA DE LIVRO (Vendas também na Amazon e no Mercado Livre. Portanto, é só procurar Memórias Pessoenses)

Sérgio Botêlho – Varadouro, em João Pessoa, é a região onde efetivamente começou a Cidade Real de Nossa Senhora das Neves. Ali existia o Porto do Varadouro, principal porto paraibano, justamente onde ancoraram as embarcações a bordo das quais vieram os colonizadores padrinhos da nova urbe brasileira, a partir da paz com os índios.

Mas também foram aqueles os espaços aos quais a cidade praticamente se limitou por mais de 300 anos. Dessa maneira, o prestígio do Varadouro como principal núcleo urbano administrativo e de moradia durou significativamente até os primeiros anos do século XX, quando foi inaugurado o Porto de Cabedelo, em 1935.

Em meio a essa atmosfera é que já no final do século XIX, no limiar da transição de Império para República, foi inaugurada, no Varadouro, a Estação Ferroviária Conde D’Eu, na velha cidade de Parahyba do Norte, capital da Província da Parahyba, atualmente João Pessoa, capital do Estado da Paraíba.

Conde D’Eu

Na época em que foi construída a estação pessoense, a Estrada de Ferro Conde D’Eu (nome de batismo das linhas férreas paraibanas) mantinha trilhos até Entroncamento, em Sapé.  A concessionária era justamente a Companhia Estrada de Ferro Conde D’Eu.

Daí, a norte, até Guarabira, passando por Mulungu. Ao sul de Entroncamento, chegou até Pilar. Por fim, havia ligação até Cabedelo quando a formosa e moderna estação da Parahyba do N

Estação Ferroviária de João Pessoa
Estação Ferroviária de João Pessoa – ANPTrilhos

orte foi inaugurada, naquele ano de 1889. E assim permaneceu a extensão das linhas até ser arrendada, em 1901, à empresa inglesa Great Western Railway, a partir de quando as linhas ainda mais se expandiram.

A Great Western operou como concessionária até 1957, quando então o governo assumiu o controle por meio da Rede Ferroviária Federal S/A-RFSSA. Posteriormente, em 1984, o governo criou a Companhia Brasileira de Trens Urbana-CBTU (Decreto-lei nº 89.396), que tomou conta do sistema de trens paraibano, até hoje.

Novo prédio

O prédio original foi derrubado em 1940, cedendo o espaço ao que segue em pé, hoje, inaugurado em 1942. O Conjunto Ferroviário RFFSA, em João Pessoa, foi tombado por sua importância histórica como patrimônio cultural ferroviário nacional por meio da Lei 11.483, de 31 de maio de 2007 e da Portaria Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) 407, de 21 de dezembro de 2010.

Presentemente, a estação serve a linhas metropolitanas, alcançando, além da capital, os municípios de Santa Rita, Bayeux e Cabedelo.

Por toda a sua carga histórica, merece uma visita, não apenas pelos turistas que chegam à capital paraibana, como, também, por todos os que nasceram ou vivem na Paraíba. Afinal de contas, trata-se de emblemática construção, do ponto de vista da história humana e econômica da Paraíba.

(Sérgio Botêlho)

FONTES:

CBTU

https://www.cbtu.gov.br/index.php/pt/sistemas-cbtu/joao-pessoa

IPatrimonio

http://www.ipatrimonio.org/joao-pessoa-conjunto-ferroviario-rffsa/

|ACESSE OS SERVIÇOS OFERECIDOS PELO ‘PARA ONDE IR’, DÓLAR, VIAGENS AÉREAS, HISTÓRIA HOJE, BOLSA, ANIVERSÁRIOS MUNICIPAIS, E APROVEITE PARA ASSINAR O BLOG POR E-MAIL|

Memórias Pessoenses - Vol. I
Singularidades da Cidade Real de Nossa Senhora das Neves na segunda metade do século passado. Adquira o livro no Clube de Autores, CLICANDO NA IMAGEM.

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.