Desigualdades na América Latina a afrodescendentes são enormes

Desigualdades na América Latina a afrodescendentes, segundo a OPAS, crescem com maior mortalidade e entraves na educação, empregos, moradia e serviços básicos

Um novo estudo sobre as populações afrodescendentes em 18 países latino-americanos demonstra que este grupo populacional vive em condições sociais e econômicas dramaticamente desiguais que prejudicam a saúde, informou nesta sexta-feira (3) a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS).

O estudo “La salud de la población afrodescendiente en América Latina” concluiu que em mais de 80% dos 18 países analisados, as pessoas afrodescendentes vivem com uma ampla gama de desvantagens relacionadas à pobreza, emprego, saúde materno-infantil e falta de acesso a moradia adequada e serviços básicos, como água potável e saneamento.

Covid-19 e Saúde Mental

“Sejamos francos: as iniquidades em saúde enfrentadas pelas pessoas afrodescendentes ocorrem em um contexto de discriminação e racismo institucional, muitas vezes exacerbado pelas desigualdades de gênero”, afirmou a diretora da OPAS, Carissa F. Etienne. “Se manifestam desde os primeiros anos de vida e os riscos à saúde acumulados aumentam com a idade, produzindo diferenças significativas nos níveis de mortalidade e expectativa de vida. Como resultado, diferentes fatores relacionados à discriminação e estigmatização, juntamente com as desigualdades de gênero e desvantagens sociais e econômicas, são responsáveis pelos maus resultados em matéria de saúde das pessoas afrodescendentes”.

DESTAQUES DA GRANDE MÍDIA IMPRESSA DE HOJE

Como observamos antes, as profundas desigualdades em saúde enfrentadas por essas comunidades foram ainda mais expostas e exacerbadas pela pandemia sem precedentes de COVID-19, tanto em seus efeitos diretos e indiretos.” – Carissa F. Etienne, diretora da OPAS

O relatório, que analisa dados sobre indicadores socioeconômicos dos 18 países, enfatiza que o acesso limitado à atenção de saúde para pessoas afrodescendentes também se traduz em “altas taxas de mortalidade materna, gravidez precoce e perfis epidemiológicos em que a doença falciforme, doenças crônicas como diabetes e hipertensão e HIV prevalecem.”

Na América Latina, 134 milhões de pessoas se autodeclaram afrodescendentes. O relatório revelou que, em muitos países, as desvantagens são gritantes, por exemplo:

  • No Equador, a taxa de mortalidade materna para mulheres afrodescendentes é o triplo da taxa de mortalidade materna geral. Na Colômbia, a taxa para mulheres afrodescendentes é 1,8 vezes maior e, no Brasil, 36% maior.
  • No Uruguai, a proporção de pessoas afrodescendentes com acesso limitado à água potável (42%) é quase o dobro da de não-afrodescendentes (24%).
  • Nas áreas urbanas da Nicarágua, 81% das pessoas afrodescendentes têm acesso limitado à água, em comparação com 35% dos não-afrodescendentes.

“Estamos vivendo em um contexto de racismo sistêmico contra afrodescendentes”, disse a vice-presidenta da Costa Rica, Espy Campbell Barr, durante o evento de lançamento do estudo. “Por sistêmico, quero dizer que está incluído nas esferas política, econômica, social e cultural e isso quer dizer que então a saúde é incorporada a essa realidade de exclusão racial dos povos afrodescendentes e, claro, dos povos indígenas”.

La Celia A. Prince, chefe de gabinete do secretário-geral Adjunto da Organização dos Estados Americanos (OEA) disse: “Enquanto as pessoas em situação de vulnerabilidade como as afrodescendentes ainda enfrentam invisibilidade e exclusão, ainda vivem na pobreza e não têm acesso à cobertura universal de saúde, o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) permanecerá fora de nosso alcance. Por esta razão, nos unimos ao chamado à ação e inclusão para as populações afrodescendentes vulneráveis.”

O relatório recomendou a melhoria das políticas de saúde pública para povos afrodescendentes incorporando “conhecimentos específicos e práticas ancestrais dos afrodescendentes, o respeito por sua autonomia, cultura e costumes, e a criação de cenários participativos conducentes à igualdade de oportunidades para todos”.

“São questões urgentes que não podem ser adiadas se o objetivo é garantir processos equitativos e inclusivos que garantam o direito à saúde para todas as pessoas afrodescendentes”, constata o relatório.

Edição do Para Onde Ir: Sérgio Botêlho, com informações da OPAS

You may also like

Leave a Reply