Aldeia Digital, da Funesc, tem início nesta terça-feira, 20

O tema do primeiro Aldeia Digital será “Corpo Território: a arte como espaço das lutas indígenas na Paraíba”

“E índio tem smartphone?” Ora essa! Não só tem, como está em rede! Inĩ Pupé – em tupi-guarani – é “dentro da rede”! E é exatamente essa a ideia: da rede da aldeia para as redes do mundo! Entre 20 e 23 de abril, a Fundação Espaço Cultural da Paraíba (Funesc) realiza o ‘Aldeia Digital 2021 – Inĩ Pupé: Arte, Ciência e Direitos dos Povos Indígenas da Paraíba’, com ações em torno de arte, ciência e direitos dos povos indígenas da Paraíba. Serão quatro dias de debates online, torés eletrônicos, artes virtuais e terabytes de encantamentos com representantes dos povos Tabajara, Potiguara, Kariri e Tapuya Tarairiú na Paraíba.

Aldeia Digital
Foto: Edson Matos, de A União

A programação do Aldeia Digital começa nesta terça-feira (20), a partir das 19h, com mais uma edição do ‘Painel Funesc’. O tema será “Corpo Território: a arte como espaço das lutas indígenas na Paraíba”. Os debatedores do encontro serão os representantes indígenas Comadre Guerreira, Mestre Tonhô, Jailson Potiguara, Cleiton Potiguara, Luan Potiguara e Juscelino Tabajara, que serão mediados por Mariana Uchôa, com transmissão ao vivo via YouTube (youtube.com/funescpbgov). 

“Com esta programação, a Funesc reconhece na Paraíba a importância das novas gerações das nações indígenas originárias [Potiguara e Tabajara] empenhadas no resgate e reconstituição da ancestralidade, em nome de antepassados que lutaram incessantemente contra a exploração, a eliminação física e tentativas equivocadas de integração”, disse Walter Galvão, presidente da Funesc. 

Ainda conforme Galvão, jovens indígenas cientistas sociais, educadores, assistentes sociais, entre outras frentes, atuam na preservação de territórios físicos e simbólicos abrindo caminhos para um protagonismo o qual o Governo do Estado, através de políticas públicas específicas, fortalece. 

Esses quatro dias de evento online são comemorativos ao Dia dos Povos Indígenas, celebrado nacionalmente em 19 de abril. O Aldeia Funesc é realizado através de uma parceria entre a Funesc e a Secretaria da Mulher e da Diversidade Humana, com idealização de Pedro Santos e execução de Mariana Uchôa e Iasypitã Potiguara. A programação acontecerá no canal da Funesc no YouTube, nas redes sociais da Fundação e também no programa Espaço Cultural (realizado pela Funesc na rádio Tabajara FM).

Painel Funesc – São convidados deste encontro: Comadre Guerreira, moradora da Aldeia Lagoa do Mato, em Baía da Traição. É artesã, raizeira e liderança na Associação das Mulheres Guerreiras Indígenas Potiguaras (AMGIP). No dia 15 de abril, inaugurou a Oka da AMGIP com o valor do prêmio Dona Lenita, da Lei Aldir Blanc/Secult-PB, que reconhece os mestres e mestras das culturas populares e tradicionais.

Mestre Tonhô, artesão, luthier e tocador de bombo no Toré Potiguara, da Aldeia São Francisco, em Baía da Traição. Foi premiado com o edital Dona Lenita, da Lei Aldir Blanc/Secult-PB. O Toré Potiguara recebeu o Prêmio Lenira Rita da Lei Aldir Blanc/Secult-PB, que reconhece os grupos das culturas populares e tradicionais.

Jailson Potiguara, tocador de gaita no Toré Potiguara, da Aldeia São Francisco, e Cleiton Potiguara, tocador de bombo no Toré Potiguara, integrante da Aldeia Alto do Tambá, Baía da Traição. Ambos receberam, através do Toré Potiguara, o Prêmio Lenira Rita da Lei Aldir Blanc/Secult-PB, que reconhece os grupos das culturas populares e tradicionais.

Luan Potiguara, professor de Etnohistória e Química, ativista, escritor e vereador, residente da Aldeia Monte-Mor, em Rio Tinto. Milita no movimento indígena regional desde os 18 anos e, há cerca de sete, participa de diversos eventos nacionais sobre políticas públicas para os povos indígenas. Ocupou o cargo de secretário municipal de Assuntos Indígenas, Meio Ambiente e Turismo da cidade de Rio Tinto, posteriormente foi eleito vereador do mesmo município, cargo que ocupa hoje. É membro da Academia de Letras, Ciências e Artes do Vale do Mamanguape.

Juscelino Tabajara, morador da Aldeia Barra de Gramame, Conde. É artesão, ativista, agricultor, pescador, mestrando em Antropologia pela UFPB e ativista do movimento indígena Tabajara do Litoral Sul da Paraíba.

A mediadora Mariana Uchôa é afro-indígena, historiadora, artista, ativista e produtora cultural e apresentadora na Funesc. É licenciada em História (UFPB – Universidad de Granada) e pós-graduada em Terapias Holísticas, além de co-fundadora da Rede CSA Parahyba, comunidade de pessoas na cidade que se auto-organizam, cultivando a economia solidária com agricultores familiares.

O ‘Painel Funesc’ estreou no dia 14 de julho de 2020 e, desde então, já foram realizados diversos encontros virtuais, semanalmente. A proposta do projeto é levar ao público discussões sobre diferentes linguagens artísticas, além de assuntos relacionados à produção cultural e à cena paraibana. Os encontros acontecem sempre às terças-feiras.  

Serviço:    

Painel Funesc     

Terça feira – 20/04/2021 – às 19h    

Tema: “Corpo Território: a arte como espaço das lutas indígenas na Paraíba” 

Convidados: Comadre Guerreira, Mestre Tonhô, Jailson Potiguara, Cleiton Potiguara, Luan Potiguara e Juscelino Tabajara.

Mediadora: Mariana Uchôa (produtora cultural – Funesc)

Transmissão: TV Funesc (youtube.com/funescpbgov)

Da redação do Para Onde Ir com informações da Secom-PB 

Related Posts
Crédito da foto: Rafael Passos - Setur-JP
Lourdes Luna, Gonzaga Rodrigues, José Octávio, Ângela de Castro, Celso Mariz, Juarez Batista, Virginius da Gama, Linduarte Noronha, Severino Ramos, Hélio Zenaide e Neroaldo Pontes são alguns deles A Fundação Casa ...
READ MORE
Ouro Preto vai respirar cinema por seis dias, no início de junho, na 14ª CineOP
O cinema vai transformar a histórica cidade de Ouro Preto, antiga capital de Minas Gerais em centro de atenção cultural, durante seis dias, a partir de 05 de junho próximo, ...
READ MORE
Conhecimento indígena abre espaço na revista Frontiers
Como o conhecimento indígena encontra meios de preservar suas florestas no contexto da emergência climática e do desmatamento? Como os indígenas do Xingu têm encontrado maneiras de preservar suas florestas no ...
READ MORE
Médico paraibano Marcelo Queiroga é cotado para ministro da Saúde
Após pedido de afastamento feito por Pazuello, Queiroga está entre os candidatos a substituir o general como ministro da Saúde Segundo vem divulgando a imprensa nacional, médico paraibano pode assumir o ...
READ MORE
Cabedelo - Youtube
Sérgio Botêlho - Em 04 de novembro de 1585 os portugueses iniciaram a construção da Cidade Real de Nossa Senhora das Neves. Enquanto isso, aproveitaram para erguer uma primeira construção ...
READ MORE
Sérgio Botêlho O rádio paraibano possui figuras históricas que ainda hoje motivam conversas saudosas e enchem de curiosidade os que fazem mídia no estado. Motivos variados fizeram a fama de ...
READ MORE
Dia mais ameno, teve até projetos aprovados; mas, segue a resistência oposicionista
Sergio Botelho Após as ações judiciais e policiais mais fortes, nos últimos dias, atingindo o setor político, essa quarta-feira, 11, pode ser considerado um dia mais ameno. Começa com a decisão ...
READ MORE
Plenário do Parlasul
Com transmissão via Internet, por meio do Canal do Parlasul, no Youtube, a partir das 11 horas desta segunda-feira, 01, o Parlamento do Mercosul se reúne em Montevidéu, capital do ...
READ MORE
Projetos culturais aprovados em João Pessoa destacam Lei Aldir Blanc
Na área de dança e artes visuais, são 21 projetos culturais, sendo 9 de artes visuais e 12 projetos de dança sobre temas e formatos diversos Enquanto os municípios pedem a ...
READ MORE
Amazônia tem maior taxa de desmatamento, em 10 anos
No ano passado o Brasil registrou a maior taxa de desmatamento na Amazônia Legal dos últimos dez anos. Todavia, o cenário tende a piorar. Entre agosto de 2019 e abril ...
READ MORE
Interlocutores do autor de A Bagaceira comporão galeria
Ouro Preto vai respirar cinema por seis dias,
Conhecimento indígena abre espaço na revista Frontiers
Médico paraibano Marcelo Queiroga é cotado para ministro
Cabedelo: de posto de defesa da Capitania da
MEMÓRIA PESSOENSE: Pascoal Carrilho
Dia mais ameno, teve até projetos aprovados; mas,
O que é o Parlasul e o que
Projetos culturais aprovados em João Pessoa destacam Lei
Amazônia tem maior taxa de desmatamento, em 10

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.