Política industrial verde vira tese de Pós-Doutorado

Investimentos para a implementação da política industrial verde promoveriam o aumento da produtividade e da eficiência energética

A UFPR promove nesta sexta-feira, 13 de agosto, a partir das 14 horas, a sessão pública de pós-doutorado em Desenvolvimento Econômico de Tarik Marques do Prado Tanure. Ele vai apresentar a pesquisa “Política industrial verde no Brasil: impactos econômicos de opções de mitigação de gases de efeito estufa – uma análise através de Equilíbrio Geral Computável (EGC)”.  O trabalho tem como supervisores  os professores Alexandre Porsse (UFPR) e  Edson Domingues (UFMG) . O evento é aberto a todos os interessados e será realizado através da plataforma Microsoft Teams.

O ponto de partida de Tarik Tanure é que o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) apresentou em 2017 o projeto “Trajetórias de Mitigação e Instrumentos de Políticas Públicas para Alcance das Metas Brasileiras no Acordo de Paris” com a finalidade de indicar medidas necessárias em setores estratégicos para a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) no Brasil, em conformidade com as metas estabelecidas pelo país no âmbito do Acordo de Paris. Os investimentos necessários para a implementação das medidas promoveriam o aumento da produtividade e da eficiência energética em setores estratégicos, condizentes com premissas de uma política industrial verde. O trabalho de pós-doutorado procura avaliar quais seriam os efeitos econômicos, diretos e indiretos, das políticas industriais relacionadas às melhores tecnologias disponíveis (MTD) para mitigação de GEE no médio e longo prazo e seus efeitos sobre a estrutura produtiva brasileira, assim como mensurar o volume de GEE emitido pela economia durante a implementação das políticas.

Para tal, utiliza-se de um modelo de Equilíbrio Geral Computável (EGC) nacional denominado BeGreen, com desagregação de 138 setores. Os resultados indicam que a alocação setorial estratégica dos investimentos nas MTD contribuem para o crescimento econômico, a redução líquida de emissões e a equidade de bem-estar. No longo prazo, investimentos oriundos desses fluxos monetários provocariam relevante crescimento econômico, com elevação das emissões totais na economia, comprometendo o objetivo inicial de redução de GEE.

Para acompanhar a sessão pública basta enviar um e-mail para a Secretaria do PPGDE-UFPR: ppgde@ufpr.br.

Edição: Sérgio Botêlho

Da redação do Para Onde Ir, com informações da UFPR

You may also like

Leave a Reply