Indústria da moda brasiliense se organiza para o pós-pandemia

Setor participa de ciclos de debates visando o ambiente da pós-pandemia para a indústria da moda brasiliense

00

Setor participa de ciclos de debates visando o ambiente da pós-pandemia para a indústria da moda brasiliense

O segmento de moda do Distrito Federal foi o primeiro a participar do ciclo de debates promovidos pelo Fórum Econômico Pós-Pandemia, idealizado pelo Governo do Distrito Federal em parceria com o setor produtivo para buscar soluções que permitam a retomada da economia. Recentemente, representantes da Fecomércio-DF, Fibra, CDL e Sebrae discutiram futuras ações com a Secretaria de Economia com o Conselho Permanente de Políticas Públicas e Gestão Governamental.

A coordenadora da Câmara de Economia Criativa da Federação, Caetana Franarin, representou a Fecomércio-DF. “Levantamos várias demandas do setor de moda que, futuramente, serão entregues ao governador Ibaneis Rocha para que esse segmento consiga se reestruturar com auxílio de políticas públicas”, explicou.

Segundo Franarin, a Câmara de Economia Criativa sugeriu algumas medidas, como investimento e qualificação profissional para toda cadeia produtiva da moda brasiliense, desde a indústria até o varejo, além de campanha de valorização do produtor local, incentivando o consumo de moda autoral e de quem a produz na cidade. “Todos os setores que participaram da reunião também pediram mais disponibilidade de crédito e financiamento via banco público, ou do próprio governo”, detalhou.

Para a coordenadora da Câmara de Economia Criativa, é muito importante o diálogo coletivo e a construção de medidas em grupo para que nada fique de fora do pacote que deve ser anunciado ao fim desse processo. “Estamos muito confiantes de que o resultado disso tudo será bastante positivo”.

A proposta do Fórum Econômico Pós-Pandemia é elevar a análise do cenário atual e futuro com base nos dados estatísticos e de vivência do setor produtivo. “Nosso suporte como Estado começa na hora do planejamento, não só da entrega. Setores produtivo e academia estão juntos para entenderem o que é urgente: de curto, médio e longo prazo. A forma de apresentar e organizar pode viabilizar a entrega e priorizar as ações”, disse o secretário de Economia do DF, André Clemente.

Rose Rainha, diretora do Sebrae e secretária-executiva do Conselho Permanente de Políticas Públicas e Gestão Governamental do DF enalteceu a iniciativa e falou da preocupação de se pensar o agora. “Nossa intenção é apresentar ações em diversas reuniões com representantes de todos os setores produtivos. Esse Fórum vem para deixar o setor produtivo da nossa cidade cada vez mais unido”, declarou.

O Fórum Econômico abordará três níveis de debate: tempo de falar; tempo de ouvir; e tempo de agir. O primeiro traz painéis temáticos, com reflexões analíticas sobre o Mundo e o Brasil, com exposições quinzenais no programa “Tempo de Economia”, da SEEC, com estudo de dados e indicadores setoriais e globais. No segundo momento, os representantes dos setores produtivos irão se reunir para debater ações em oficinas guiadas por consultores.

Edição: Sérgio Botêlho

Da redação do Para Onde Ir, com informações da Fecomércio-DF

 

You may also like

Comente