Desafios logísticos nas fronteiras mobilizam o segmento do turismo

Integração e expansão do projeto Vai Turismol e desafios logísticos nas regiões de fronteira motivam encontro em Brasília

A integração e a expansão do projeto Vai Turismo pelo Brasil e os desafios logísticos que impactam o crescimento do turismo nas regiões de fronteira foram os principais assuntos debatidos na reunião do Grupo de Trabalho (GT) sobre Turismo de Fronteira da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), realizada recentemente, na sede da entidade, em Brasília (DF).

O evento reuniu representantes dos Estados do Amazonas, Acre, Roraima, Rondônia, Amapá, Pará, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina, Paraná e Rio Grande Sul. O encontro foi promovido pelo Conselho Empresarial de Turismo e Hospitalidade (Cetur/CNC), representado pelas especialistas técnicas Ana Siqueira e Márcia Alves. Na ocasião, também foram elencadas as prioridades para 2022.

O Vai Turismo alcançou resultados positivos em 2021. O projeto engajou 136 organizações este ano, promoveu mais de cem encontros técnicos nos Estados, realizou dezenas de encontros de trabalho para a discussão e 27 oficinas para recomendação de políticas públicas voltadas ao turismo. O webinário de lançamento do Vai Turismo, na plataforma YouTube, gerou mais de seis mil visualizações. Com tantas conquistas, o Cetur busca a convergência de ações do GT Turismo de Fronteiras com Vai Turismo.

Custo Aviação

Outro ponto debatido foram os gargalos logísticos, sobretudo na aviação regional, que dificultam o turismo nas regiões de fronteira do Brasil. Os representantes dos Estados do norte apontaram diversas dificuldades, entre as quais o atraso e o cancelamento de voos, e outros desafios que influenciam os turistas em suas escolhas.

A representante da Fecomércio-RO, Cileide Ribeiro, destacou problemas no que se refere à suspensão do Programa de Desenvolvimento Aéreo Regional (PDAR), que prevê incentivos ao setor de infraestrutura aeroportuário e gestão de aeroportos regionais. De acordo com ela, o turismo necessita de voos regionais regulares e de conexões entre os municípios para que alavanque o crescimento do setor.

Free shop

O vice-presidente do Conselho de Turismo da Fecomércio-RS, Manuel Suarez, enfatizou a retomada do turismo, com alta ocupação hoteleira e geração de renda à gastronomia. Ressaltou ainda a importância da expansão dos free shops nas regiões de fronteira.

Os desafios de se investir em lojas francas nas regiões do sul do Brasil requerem planejamento, incentivo do poder público e investimento. “Precisamos atrair investidores para expandir o setor de free shops no Brasil”, destacou ele.

Já o empresário e diretor de Turismo da Fecomércio-PA, Augusto Colares, apresentou uma plataforma digital que reúne produtos e serviços oferecidos pelos diversos segmentos do turismo paraense.

Planejamento 2022

O GT Turismo de Fronteira elencou as ações de planejamento para 2022. Dentre elas, a retomada do PDAR; reunião com a Comissão Permanente para o Desenvolvimento e a Integração da Faixa de Fronteira (CDIF); atuação em conjunto com o setor produtivo para regulamentação dos jogos no Brasil; iniciativas em concessionárias e associações do setor aéreo; atuação para isenção de benefícios fiscais para o segmento de fronteiras; e parceria com a Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) e Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam), para mensurar impactos relacionados às atividades turísticas fronteiriças.

Edição do Para Onde Ir: Sérgio Botêlho, com informações do Portal do Comércio

You may also like

Leave a Reply